Sarebbe dovuto esserci anche Edmundo su quel maledetto aereo, con la Chapecoense: l'ex attaccante di Napoli e Fiorentina avrebbe dovuto commentare per Fox Sports l'incontro con l'Atletico Nacional, ma al suo posto, a causa di un contrattempo improvviso, è andato il collega Mario Sergio, altro ex giocatore, anche lui tra i defunti. "Dico spesso che il calcio è una metafora della vita, e forse questo è il motivo per cui la tragedia della Chapecoense mi rende così triste" ha scritto Edmundo sul suo profilo Instagram.
 
 

Costumo dizer que futebol é metáfora da vida e talvez por isso esse lance com a Chapecoense me deixa tão triste. Porque, por mais que torçamos pra Flamengo, Corinthians, Vasco, Palmeiras, Santos e outros grandes times, na vida a gente é mesmo uma Chapecoense. A gente sonha, luta, batalha, joga fechadinho na defesa, aguenta pressão no trabalho, salva bola em cima da linha no último minuto e quer ser campeão de algo, vibrar com a felicidade, alçar vôos altos. A gente é Chapecoense na vida porque, por mais que algumas vezes queira e em outras se sinta impotente, está lá, sempre na peleja. Nem sempre com torcida a favor, às vezes com o estádio da vida lotado, tentando virar o jogo fora de casa, mas estamos lá, buscando nossa realização, nosso conto de fadas. A gente adotou a Chapecoense porque ela é gente da gente. Com essa queda, a gente vê como se importa com bobagem, como perde energia com coisas pequenas, inclusive por aqui. Como a gente se demora em questões que não geram amor. "Donde no puedas amar, no te demores". Já que vamos seguir na vida, é preciso ser mais Chapecoense. Se encontrar mais, sorrir mais, discordar quando for necessário, mas se respeitar mais. Cultivar os afetos, deixar os desafetos pra lá, nos livrar das âncoras e seguir com as velas. É preciso seguir, é preciso soprar. Vamo, vamo, Chape. Na metáfora dessa vida, jogo de futebol eterno, Chape somos nós. Texto de Artur Crispin.

Una foto pubblicata da Edmundo Souza (@edmundosouza10) in data: